04/03/2016

Estruturas Met√°licas ganham cada vez mais mercado

O cenário de obras com estruturas metálicas se mostra favorável e tem crescido no Brasil. Dados fornecidos pelo Centro Brasileiro de Construção em Aço (CBCA) informam que a participação do material em obras no país cresceu de 5% no ano 2000 para 14% em 2010, e tem perspectivas de manter o crescimento.

As estruturas met√°licas est√£o presentes de forma expressiva em empreendimentos nos quais s√£o necess√°rios vencer grandes v√£os, como por exemplo, na constru√ß√£o de galp√Ķes industriais. No entanto, a presen√ßa do a√ßo como elemento estrutural tem se mostrado significativa tamb√©m em residenciais de alto padr√£o e em edif√≠cios de muitos pavimentos, mercado no qual a LF Parthenon direciona hoje seu foco.

Sabe-se que constru√ß√Ķes em estruturas met√°licas t√™m suas particularidades, as pe√ßas devem ser milimetricamente calculadas e cuidadosamente fabricadas para n√£o haver problemas na execu√ß√£o e montagem. Al√©m disso, quando combinada com outros materiais como alvenaria e madeira alguns procedimentos e cuidados devem ser observados para evitar problemas de ader√™ncia e veda√ß√£o.

Outro item fundamental quando se fala em estruturas de metal, é a pintura das peças, que devem ser muito bem limpas para que a graxa que contém no aço seja totalmente retirada, além da realização de acabamento minucioso e pintura com fundo e tinta adequados, como forma de garantir seu aspecto e durabilidade.

O Arquiteto Siegbert Zanattini afirma que:¬† ‚ÄúA solu√ß√£o em a√ßo como estrutura √©, entre todos os sistemas construtivos, a que melhor atende √†s condicionantes de obras sustent√°veis, reduzem os custos com energia e desperd√≠cios, chegando em 0% de res√≠duos jogados fora, al√©m da flexibilidade de poder montar e desmontar em locais diferentes‚ÄĚ. Ainda se tem certo tabu quanto aos custos das obras em estruturas met√°licas serem muito elevados, que aos poucos vem sendo desmistificado, pois h√° vis√≠veis e significativos ganhos de tempo de execu√ß√£o e economia de m√£o de obra, que acabam compensando, sem contar a quest√£o abordada pelo arquiteto quanto √† sustentabilidade.

Fonte: construçãomercado.pini.com.br

Voltar